10 de jan de 2017

O Evangelho de João - Dia 3

Paz irmãos. Neste terceiro dia eu gostaria de falar sobre: Jo 1:42 - Então André levou o seu irmão a Jesus. Jesus *olhou fixamente* para Simão e disse: —Você é Simão, filho de João, mas de agora em diante o seu nome será Cefas. ( “Cefas” é o mesmo que “Pedro”)

Quando preparava esse texto, lembrei de algo que meu pai sempre falava. Ele dizia que o maior bem de um homem é seu nome. E isso na nossa cultura é bem relevante, pois muitas vezes nos preocupamos em manter nossos nomes limpos junto aos órgãos de proteção ao crédito, por exemplo.

Se para nossa cultura atual ter um nome significa honrá-lo e mantê-lo limpo, para a cultura do oriente médio nos tempos de Jesus significava muito mais que isso.

A palavra nome no idioma dos judeus procede de uma palavra que significa reputação, fama, honra. Alguns teólogos também dizem que vem da mesma raiz da palavra que significa colocar uma marca ou  um código em alguém

O nome de uma pessoa tinha a ver com seu caráter ou com sua vida. Em alguns casos a mudança de um estado ou de um comportamento poderia implicar na mudança do nome, por exemplo, vemos o caso de Jacó que teve seu nome mudado para Israel. Levando-nos a entender que seu novo nome representava uma nova realidade em sua vida.

Mediante a essas informações sobre o poder no nome próprio, podemos enxergar um significado mais profundo neste pequeno diálogo entre Jesus e Pedro.

Quem é esse homem que com apenas um olhar profundo, um olhar além da visão natural enxerga uma realidade que ninguém mais vê? Quem é esse homem que com apenas um diálogo resume tudo quem Pedro tinha sido, quem ele era e quem ele seria dali pra frente?

Pedro não deixou de ser o filho de João. Mas Jesus fez dele alguém além, alguém mais de si mesmo.
Ser Pedro agora era sua vocação dada por Deus, era a sua nova realidade!

Um encontro com Jesus muda nossa realidade, muda nossa história, nossa vida, muda quem somos e quem seremos daqui pra frente, muda até mesmo nosso nome.

É claro que essa mudança é real, mas algumas vezes, o nosso antigo nome tenta sobre sair. Nos evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas, por horas Pedro é chamado somente de Pedro ou de Simão, não porque ele era bipolar, mas talvez porque ele tinha grandes dificuldades de enxergar em si próprio a nova pessoa que ele era em Cristo.

Assim como Pedro também, podemos falhar com a nossa nova realidade e negá-la (Jo. 13:38; Jo. 18:27). Mas Jesus com seu grande amor e misericórdia, não com julgamento, nos faz lembrar de quem éramos (Jo. 21:15), e mais uma vez nos restaura, fazendo nos lembrar da nossa real vocação: Apascenta as minhas ovelhas.

Como em todo processo, Pedro amadureceu e agora ele próprio entendeu o seu verdadeiro chamado em Cristo. Veja em 1Pe 1:1 _(Eu, *Pedro*, apóstolo de Jesus Cristo, escrevo esta carta...)

Irmãos, somos chamados por Deus e temos uma vida transformada por Ele, porém há momentos que falhamos e esquecemos de quem realmente somos, voltando por alguns instantes a viver a antiga realidade.

No entanto, Cristo tem restauração e um crescimento para nós.

Que essa seja nossa oração!!!!




Texto de autoria de André Evangelista




Nenhum comentário:

Postar um comentário